GOE prende mulher acusada de chefiar tráfico em bairros de Araçatuba

Policiais civis do GOE (Grupo de Operações Especiais) prenderam uma mulher acusada de ser uma das chefes do tráfico de drogas nos bairros Elias Stefan (Araçatuba G) e Vista Verde, na zona leste de Araçatuba.
R.A.B.F. estava com mandado de prisão expedido desde março após ser condenada a 8 anos e 4 meses de prisão por tráfico de drogas e associação ao tráfico.
Ela foi presa na tarde desta quarta-feira (15) na região central de Araçatuba.
Segundo investigação da polícia, a mulher assumiu o comando do tráfico nos bairros após a prisão do marido.

Conforme a investigação, ela recebia instruções de dentro da cadeia e executava as ações para a continuidade do tráfico em parte de Araçatuba. No ano passado, a acusada chegou a ser presa por tráfico.
Ela foi surpreendida pelo GOE com grande quantidade de cocaína, dinheiro e anotação do tráfico.
A indiciada conseguiu na Justiça um habeas corpus pelo fato de na época estar com filho ainda de colo.
Porém, investigação da polícia apontou que a acusada continuou na prática de tráfico de drogas.

Durante a instrução do processo, o Ministério Público pediu a prisão preventiva dela, o que foi concedida pela Justiça e confirmada pelo Tribunal de Justiça.
O mandado de prisão foi expedido em março e desde então, a acusada vinha sendo procurada.
A Polícia Civil ficou mais perto do encontro da moça nesta terça-feira (14), quando o marido dela foi preso voltando para o CPP (Centro de Progressão Penitenciária) com 58 porções de maconha. T.S.C., o Metralha, foi preso pelo GOE em um carro na rodovia Marechal Rondon (SP-300).

A abordagem ocorreu na praça de pedágio de Rubiácea, entre Araçatuba e Valparaíso.
Com a prisão do marido, os investigadores passaram a monitorar possíveis pontos de encontro da mulher.
Ela que foi abordada hoje logo após entrar em uma farmácia.
Ainda conforme investigação da polícia, o casal faria parte de uma facção que age dentro e fora dos presídios.

Por:Alex Mesmer/ Regional Press
Araçatuba Acontece
15/95/2019




Postar um comentário

0 Comentários