Comoção: O adeus ao sargento Delfino


Um clima de emoção e comoção marcou o enterro do sargento do Corpo de Bombeiros Júlio César Delfino, no final da tarde deste sábado no cemitério Recanto de Paz, no Jardim Rosele, em Araçatuba.

Ele morreu durante o combate a um incêndio de grandes proporções em uma loja de produtos importados no calçadão da Marechal Deodoro na tarde desta sexta-feira.
Representantes do alto escalão da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros estiveram presentes, além de colegas da corporação e público em geral que compareceram para dar a Adeus ao sargento, que partiu como um herói.

Sargento Delfino foi velado no 20º Grupamento do Corpo de Bombeiros e o corpo seguiu em um cortejo, sobre um caminhão do Corpo de Bombeiros, até o cemitério Recanto de Paz.
Estiveram presentes o comandante geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo, coronel PM Marcelo Vieira Sales e o comandante do Corpo de Bombeiros no Interior, Luiz Alberto Rodrigues da Silva, além do comandante do CPI-10, coronel Paulo Augusto Leite Motooka e o comandante do 20º Grupamento do Corpo de Bombeiros, major Nilton Cesar Zacarias Pereira.

O cortejo foi formado por viaturas do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Guarda Civil Municipal, e diversos veículos com familiares, amigos e população em geral. No cemitério, o caixão foi levado, coberto por uma bandeira do Brasil, por bombeiros que atuavam com o sargento no 20º Grupamento.
Sargento Delfino foi sepultado com honras militares.

A chegada do caixão se deu com uma salva de tiros. Um pastor evangélico usou a palavra e fez uma oração. Coronel Sales também fez um discurso.
A comoção tomou conta da cerimônia. A mãe do sargento passou mal.
A viúva, que chegou segurando um quadro com a foto do marido, foi amparada o tempo todo por amigos e familiares.

Sargento Delfino partiu como um herói e seu ato de bravura causou comoção geral na cidade.
A ação dele dos demais bombeiros evitou uma tragédia ainda maior.
Se eles não tivessem tido a coragem de entrar no prédio para conter o incêndio de grandes proporções, a situação poderia ter ficado ainda pior caso as chamas se alastrassem aos prédios vizinhos.

Por: Fabio Shiz/ Regional Press
Imagens: Silvio Romeiro
Araçatuba Acontece
13/04/2019



















Postar um comentário

0 Comentários